Últimas Notícias

News
Recentes

Autor de “Perdido em Marte” lança thriller de suspense sobre cidade na Lua

News
Recentes

Em nova edição, “Blade Runner” ganha capa assinada por Rafael Coutinho

News
Recentes

Em livro de estreia, Emily X.R. Pan escreve sobre suicídio e paixão

americanas.com

[Resenha] A Filha de Sangue – Anne Bishop

Publicado em 19 maio, 2014

A Filha de Sangue – Anne Bishop
Editora: Saída de Emergência Brasil
ISBN: 9788567296104
Ano: 2014
Páginas: 432

Classificação: 
Página do livro no Skoob / Compre!

O Reino Distorcido se prepara para o cumprimento de uma antiga profecia: a chegada de uma nova Rainha, a Feiticeira que tem mais poder que o próprio Senhor do Inferno. Mas ela ainda é jovem, e por isso pode ser influenciada e corrompida. Quem a controlar terá domínio sobre o mundo. Três homens poderosos, inimigos viscerais – sabem disso. Saetan, Lucivar e Daemon logo percebem o poder que se esconde por trás dos olhos azuis daquela menina inocente. Assim começa um jogo cruel, de política e intriga, magia e traição, no qual as armas são o ódio e o amor. E cujo preço pode ser terrível e inimaginável.

Resenha:
Vou definir três estágios emotivos para a leitura de A Filha de Sangue: de início vem a confusão, causada pela dificuldade em situar-se na trama, logo em seguida nos deparamos com o fascínio, ao compreendermos melhor o mundo que Anne Bishop propõe, e por último e não menos importante, o choque. Que perdura por toda a trama, de início ao fim. É estranho, viciante e extremamente apaixonante cada detalhe dessa estória.

Os Sangues foram criados para proteger os Reinos e honrar as Trevas. Com o passar dos séculos a ganância deturpou o real sentido de ser um Sangue, a essência foi perdida e o egoísmo passou a ser o centro de todas as coisas. Nesse mundo assombroso a Rainha e sua corte são as autoridades máximas, as mulheres detém o poder, governam e controlam. Os homens são mantidos com anéis de obediência, escravos sexuais impossibilitados de sentir prazer, apenas oferecer. A sociedade é dividida em castas, numa hierarquia que reparte a sociedade de acordo com a joia que cada indivíduo tem direito por progenitura. Quanto mais escura a joia mais forte é a magia, e de acordo com a cor das joias você se enquadra em algum grupo social.

Saetan é o Senhor Supremo do Inferno e durante 50 mil anos foi o soberano e guardião do Reino das Trevas, agora, velho e cansado ele só deseja esvaecer-se às sombras porém uma promessa o impede de descansar em paz. Lucivar é filho de Saetan, o terceiro macho mais forte dos reinos e devido a seu temperamento explosivo ele passa boa parte da estória preso em minas de sal, sendo torturado. Daemon é filho bastardo de Saetan e fora criado como um pária controlado pela Sacerdotisa Suprema Dorothea, um escravo sexual de renome solicitado por viúvas negras dos quatro cantos. O famoso Sádico.

Apesar de serem donos de personalidades fortes e opiniões divergentes, os três homens nobres de joia negra dividirão algo em comum… Uma antiga profecia defende que a maior Feiticeira de todos os tempos, o mito vivo está a caminho. A verdadeira Rainha dotada de poderes inimagináveis para deter o mal instalado nos reinos não é apenas um sonho.

O inesperado então acontece, Jaenelle é uma criança de apenas 7 anos que não consegue controlar a Arte básica mas realiza feitos que nem Saetan, Senhor do Inferno é capaz. Ela é a Feiticeira. Eles precisam protegê-la da atual Rainha e de todas as influências negativas que serão constantes, quem dominá-la será capaz de transformá-la em um fantoche. Jaenelle é uma garota peculiar, independente e misteriosa, ela viaja pelos territórios mais sombrios dos vivos e dos mortos, lugares temidos muitos deles proibidos, fazendo amigos perigosos e escondendo segredos. Daemon e Saetan irão treiná-la e repassar lições indispensáveis. Apesar de jovem, ela carrega fardos pesados demais e sua saúde mental e psíquica é alvo de preocupação. Como pode alguém ter posse de tanto poder? Como é possível esse equilíbrio?

Temas polêmicos permeiam todos os capítulos do enrendo, são abordados no livro estupros, assassinatos, castrações, incestos (muitos) e por último e não menos importante, o que mais me deixou pasmo: pedofilia. Daemon acredita que Jaenelle é sua amada. A tensão sexual entre os dois se desenvolve com o crescimento de Jaenelle, a escrita da autora não nos deixa sentir repulsa por essa aproximação, é incrível, até bonito em alguns momentos. Puro.

No decorrer da estória dezenas de personagens são introduzidos e o funcionamento desse mundo novo fica mais claro. O sentido não vem de forma linear mas pode ficar claro que após a última página cada palavra terá seu valor esclarecido. O mais empolgante de toda a trama são os capítulos que se passam no Inferno, que ganha toda uma interpretação grandiosa e fantástica, eu particularmente sou apaixonado por qualquer estória que envolva demônios, logo me vi encantando. Feiticeiras através de teias emaranhadas enxergam o futuro em visões, os Sangues invadem mentes, derrubando as barreiras psíquicas internas, e Jaenelle vai testar a paciência de Saetan e Daemon, os levando ao limite da fúria. Jaenelle desaparece por meses sem dar notícias… O que ela esconde em Chaillot onde vive com a família? Ela sobreviverá até a idade em que poderá assumir os Reinos? É melhor brincar com os mortos do que ser um deles, certo?

Os parágrafos acima foram escritos da forma mais enxuta que consegui e acreditem, não comentei nem um terço de toda a grandiosidade que é essa estória. A capa conta com corte especial e a diagramação está impecável, a Saída de Emergência Brasil me deu um dos livros mais lindos que possuo na estante. Leiam!

WalmartBR

Recomendados para você

Deixe seu comentário