Últimas Notícias

News
Recentes

Em entrevista ao OMD, Silva declara amor por Maceió e promete show afetuoso no Teatro Deodoro

News
Recentes

Depois de O Livro dos Ressignificados, Coração Granada é o novo livro do @akapoeta

News
Recentes

Separamos cinco HQs da Nemo que você precisa ter na estante!

Livraria Cultura - Clique aqui e conheça nossos produtos!

[Resenha] O Jogo Perfeito – J. Sterling

Publicado em 07 jul, 2014
O Jogo Perfeito – J. Sterling

Editora: Faro Editorial
ISBN: 9788562409165
Ano: 2014
Páginas: 224

Classificação: 

Conta a história de dois jovens universitários, Cassie Andrews & Jack Carter. Quando Cassie percebe o olhar sedutor e insistente de Jack, o astro do beisebol em ascensão, ela sente o perigo e decide manter distância dele e de sua atitude arrogante. Mas Jack tem outras coisas em mente … Acostumado a ser disputado pelas mulheres, faz tudo para conseguir ao menos um encontro com Cass. Porém, todas as suas investidas são tratadas com frieza. Ambos passaram por muitos desgostos, viviam prevenidos, cheios de desconfianças, antes de encontrar um ao outro, (e a si mesmos) nesta jornada afetiva que envolve amor e perdão. E criam uma conexão tão intensa que não vai apenas partir o seu coração, mas restaurá-lo, devolvendo inteiro novamente.

Resenha:
Categorizado como New Adult, O Jogo Perfeito vai abordar exatamente as situações e propostas que o gênero está acostumado a lidar, de forma resumida temos jovens encarando as primeiras complicações e problemáticas da vida adulta. Um misto de experiências que comprovam: a vida não é fácil. Em nenhum dos sentidos imagináveis.

Jack Carter cultiva duas famas distintas. Ele é um astro do beisebol desejado por todas as garotas do campus, em especial aquelas sem autoestima suficiente para enxergá-lo como o cafajeste que é. Jack Carter é excitante e sexy demais. Ele autoafirma que não vai para cama com uma garota duas vezes. Como possível foco de romance ele deve ser evitado o máximo possível, mas como jogador ele é simplesmente espetacular. Um verdadeiro monstro em ascensão que deve ser observado e aplaudido de pé. Não há dúvidas quanto a seu futuro no esporte.

Cassie passou toda a sua vida sofrendo as consequências das promessas não cumpridas de seu pai. Quando a tão esperada chance de estudar fotojornalismo longe de casa surge, ela agarra a chance com toda a sua garra e passa a dividir um apartamento com sua amiga Melissa. Quando Jack passa a direcionar seus flertes para Cassie, uma disputa pessoal instala-se. Cassie está disposta a evitá-lo o máximo que puder e Carter não desistirá fácil da única garota que não rastejara a seus pés.

De início Cassie se mostra totalmente relutante em dar a mínima atenção ao garanhão mas isso não perdura por muitos capítulos. Logo eles engatam um relacionamento e as reais dificuldades aparecem. Namorar um atleta famoso não é nada fácil. As tietes podem ser um grande impecilho e as viagens que duram meses são testes cruéis de mais. Cassie e Jack são nossos protagonistas e dividem a trama intercalando narrações. É através desse mecanismo narrativo que conhecemos a fundo as dores e os fardos de cada um. Passamos a entendê-los melhor e torcer (em alguns momentos) para desfechos felizes (em alguns momentos).

Minha grande queixa em relação ao livro é a respeito do ritmo da escrita. Quando o final do livro se aproxima uma série de acontecimentos se mostram totalmente sem profundidade e até sentido. O livro caminha para algo que no desfecho se mostra totalmente forçado, talvez se tivessem sido mais estendidos e a correria não fosse gritante, tudo se mostraria mais aceitável. Meu relacionamento com Cassie é de amor e ódio. Já com Jack é apenas de ódio mesmo. Um lado positivo é a forma como os personagens foram construídos, como leitor, realmente acreditei na personalidade de cada um, mesmo não aprovando inúmeras atitudes e a falta delas também. Quem procura um livro para passar o tempo O Jogo Perfeito é a dica do momento.

Felipe Miranda

Felipe Miranda

Sou redator, produtor de conteúdo, freelancer 24h e quase jornalista. Não consigo ficar quieto. Criei o OMD aos 15 anos e de lá para cá já vivi um mundo inteiro de histórias malucas (sem nem sair de casa).

Leia mais de 4 milhões de livros no seu e-book. Os melhores e-books do mundo estão aqui

Recomendados para você

Deixe seu comentário