Últimas Notícias

News
Recentes

Editora Morro Branco investe em diversidade em suas publicações. Confira!

News
Recentes

CONHEÇA “JUNTOS SOMOS ETERNOS”, DE JEFF ZENTNER

News
Recentes

Autora de “Quarto” lança triller psicológico “O Milagre”

americanas.com

[RESENHA] A Mulher entre Nós – Greer Hendricks e Sarah Pekkanen

Publicado em 12 jul, 2018

A Mulher entre Nós – Greer Hendricks e Sarah Pekkanen

ISBN-10: 8584391061 / Ano: 2018

Páginas: 352 / Editora: Paralela

Classificação: 

 

Um livro de suspense que explora as complexidades do casamento e as verdades perigosas que ignoramos em nome do amor. Aos 37 anos, a recém divorciada Vanessa está no fundo do poço. Deprimida, morando no apartamento de sua tia, ela não tem filhos, dinheiro ou amigos verdadeiros. Ao descobrir que Richard, seu rico e carismático ex-marido, está prestes a se casar de novo, algo dentro de Vanessa se quebra. A partir de agora, sua vida irá revolver em torno de uma única obsessão: impedir esse matrimônio. Custe o que custar. Na superfície, Nellie se parece com qualquer outra jovem bela e sonhadora que veio para Manhattan começar sua tão sonhada vida adulta. Mas a personalidade tranquila que ostenta é apenas uma fachada.

Estou em uma cilada ao escrever esse texto pois minha maior dúvida é se as pequenas coisas que me incomodaram nessa leitura foram detalhadamente pensadas (da mesma forma que o título e a frase que estampam a capa nos faz parar alguns segundos para entender do que se trata). Se você curte thrillers psicológicos a obra de Greer Hendricks e Sarah Pekkanen vai te ocupar por um tempinho. É, sem dúvida, uma das leituras mais intrigantes do ano.

Sabe quando você até consegue prever o próximo passo do personagem, mas erra feio nas suas motivações? O grande barato aqui está nisso. O que leva uma mulher a estar num relacionamento abusivo por tanto tempo? O que leva uma mulher a se tornar uma stalker de sua substituta? O que leva alguém a esconder tantos segredos a ponto de destruir a vida do próximo? Onde o amor se encaixa no meio disso tudo? Se as respostas são muitas e parecem previsíveis, nessa história as coisas são muito mais complicadas.

Dividido em três partes, A Mulher entre Nós passeia por todos os elementos que o classificam como thriller psicológico. Há o detalhismo exagerado em momentos banais, há o ritmo lento em todos os capítulos e há um leitor se surpreendendo a cada fim de diálogo e contexto identificado. Porque o que faz esse livro ser bom são as entrelinhas de tudo que é dito e não dito.

Não tenho medo de tempestades, porque estou aprendendo a navegar meu barco à vela.

Richard é a personificação do príncipe encantado, e olha que não estou colocando ser rico como adjetivo, viu? Mas o cara sabe agradar. Jantares especiais, bilhetinhos românticos e um dia a dia de compreensão. Ele está noivo de Nelie e sua vida estaria tranquila se não fosse a existência de Vanessa, sua ex-esposa psicótica que está perseguindo o novo amor da sua vida. Vanessa esbanjava uma vida de luxo. Quando se casou com Richard tudo se tornou grandioso. Roupas de marca, viagens internacionais e uma única preocupação: engravidar. Quando as coisas começam a dar errado o companheiro ideal perde o controle. A rotina perfeita se torna um inferno, tão problemático quanto ter um passado. No fim das contas a grande questão aqui é outra.

Contar mais que isso é dar spoiler. A narrativa é feita por Nelie e Vanessa, a atual e a ex de Richard. Confesso que pelo fato da história ser narrada em terceira e primeira pessoa, me vi confuso em vários capítulos. Em algum momento as duas parecem ser a mesma pessoa, e eu até achei que esse seria o grande turn over da história, mas não. A terceira e última parte do livro é uma explosão de reviravoltas e explicações. O ritmo arrastado e redundante do início se desfaz para dar sentido a tudo que lemos. É empolgante, mas talvez tudo poderia ser desenvolvido de um jeito mais prático e menos enrolado. Os finais de capítulos e, principalmente, de partes é o que prende o leitor.

Não é difícil se esquivar dos questionamentos depois de aprender certos truques. É só contar histórias divertidas e inteligentes que desviem a atenção do fato de que você não está revelando nada. É só evitar detalhes. Usar termos vagos. E mentir, as apenas quando for totalmente necessário.

E como já deu para perceber, o livro é sobre relacionamentos abusivos, vingança e, porque não, compaixão? A gente precisa entender que para existir dentro de um relacionamento não é preciso ceder tanto. Não é preciso deixar de ser quem você é e lutar pelo que acreditar. Dividir sonhos é muito diferente de se anular e deixar de possuir uma individualidade.

Mas a mais íntima das relações não deveria ser um porto seguro, em que a pessoa conhecia todos os segredos e os defeitos da outra e a amava mesmo assim?

WalmartBR

Recomendados para você

Deixe seu comentário