Últimas Notícias

News
Recentes

Editora Morro Branco investe em diversidade em suas publicações. Confira!

News
Recentes

CONHEÇA “JUNTOS SOMOS ETERNOS”, DE JEFF ZENTNER

News
Recentes

Autora de “Quarto” lança triller psicológico “O Milagre”

americanas.com

[RESENHA] O Sol na Cabeça – Geovani Martins

Publicado em 12 jul, 2018

O Sol na Cabeça – Geovani Martins

ISBN-10: 8535930523 | Ano: 2018

Páginas: 122 | Editora: Companhia das Letras

Classificação: 

 

Em O sol na cabeça, Geovani Martins narra a infância e a adolescência de garotos para quem às angústias e dificuldades inerentes à idade soma-se a violência de crescer no lado menos favorecido da “Cidade partida”, o Rio de Janeiro das primeiras décadas do século XXI. Em “Rolézim”, uma turma de adolescentes vai à praia no verão de 2015, quando a PM fluminense, em nome do combate aos arrastões, fazia marcação cerrada aos meninos de favela que pretendessem chegar às areias da Zona Sul. Em “A história do Periquito e do Macaco”, assistimos às mudanças ocorridas na Rocinha após a instalação da Unidade de Polícia Pacificadora, a UPP. Situado em 2013, quando a maioria da classe média carioca ainda via a iniciativa do secretário de segurança José Beltrame como a panaceia contra todos os males, o conto mostra que, para a população sob o controle da polícia, o segundo “P” da sigla não era exatamente uma realidade. Em “Estação Padre Miguel”, cinco amigos se veem sob a mira dos fuzis dos traficantes locais. Nesses e nos outros contos, chama a atenção a capacidade narrativa do escritor, pintando com cores vivas personagens e ambientes sem nunca perder o suspense e o foco na ação.

O Sol na Cabeça é uma leitura deliciosamente dolorosa.

Dolorosa por ser biográfica e retratar a realidade de milhares de jovens brasileiros. Dolorosa por ser tão liricamente bonita e tocante que eu não consigo entender como alguém possa ler algo assim e não querer mudar o mundo. Agora mesmo. Imediatamente. Li, reli e não consigo escolher apenas um dos 13 contos que formam a coletânea de Geovani Martins como favorito. O que temos nesse livro são os bastidores do que vemos no noticiário. Num noticiário sangrento que marginaliza as comunidades periféricas e transforma em circo o que às vezes não é entretenimento. É morte. É família, sobrevivência e falta de oportunidades. Tudo o que não vemos na TV.

Geovani Martins foi (não sei se ainda é) morador de algumas favelas no Rio de Janeiro. Cresceu vendo a política de drogas que existe hoje se instalar e envolver moradores, policiais e governo. Não é preciso detalhar esse cenário para imaginá-lo caótico e violento. Desigual, acima de tudo. Um sistema que diariamente acentua classes sociais e as distancia, exclui indivíduos. Aos 26 anos Martins lançou pela Companhia das Letras uma série de relatos que já foi vendida para mais de 9 países. Relatos que transportam mundo afora o dia a dia carioca em formato de ficção. O que fica bem claro para qualquer um que lê, é que a arte imita a vida e as histórias compiladas foram construídas através de memórias. Experiências vividas, vistas e ouvidas. Um tanto que assustadoras.

O primeiro contato com uma arma de fogo ainda na infância e a falsa sensação de poder sobre isso; a adolescência entre conflitos armados e tiroteios vistos da janela de casa; a morte de costume tão próxima quanto uma bagagem qualquer no porta malas de um carro; o racismo que exclui e pune sem piedade; o vazio preenchido pelo ódio ao perceber que é possível despertar medo nas pessoas por apenas ser negro e pobre; a pichação como forma de gritar ao mundo que cultura não é somente aquilo que a gente gosta; preconceito, provas injustas e  drogas. As drogas como fuga, caminho e única saída. As drogas conduzem esse emaranhado de cheiros e gostos amargos.

Mais do que narrar de forma crua o que a gente sabe, mas esquece, o Sol na Cabeça passeia pelo universo informal e da norma culta. Se em um capítulo acompanhamos o desenrolar de um crime num texto de vocabulário super coloquial, em outro precisamos ler pausadamente para absorver gírias e metáforas que só um morador de Bangu entenderia de primeira. Além de trazer protagonistas brasileiros, maconheiros, artistas e pobres, o livro personifica o jovem das comunidades carentes que de tão inserido na criminalidade nem sempre enxerga que é possível construir uma vida nova. É possível mesmo?

Olha é bem difícil imaginar a força necessária para sair de uma bolha que reflete sangue e injustiça. Ao mesmo tempo em que o próprio autor é um exemplo de que existem outras possibilidades de ascensão não relacionadas ao tráfico e crime, o que ele escreve reforça que as estatísticas sempre serão ruins enquanto, por exemplo, a própria polícia alimentar o ciclo de corrupção. A culpa é nossa também? Sim, o livro é duro a esse ponto. Há força nessas palavras e os contos são quase manifestos, registros históricos que explicam o presente. Um presente podre.

O que quero dizer é que me arrepia imaginar o futuro.

Uma das melhores leituras do ano.

WalmartBR

Recomendados para você

Deixe seu comentário