Últimas Notícias

News
Recentes

Conheça “Metrópolis”, clássico sci-fi de Thea von Harbou, que chega em capa dura em Outubro!

News
Recentes

“A Saga do Assassino”, de Robin Hobb, ganha nova edição pela Suma!

News
Recentes

Sequência de “O Conto da Aia” chega em novembro às livrarias!

Livraria Martins Fontes

[RESENHA] Lobo Por Lobo – Ryan Graudin

Publicado em 17 jan, 2017
Lobo Por Lobo – Ryan Graudin
ISBN-10: 8555340195
Ano: 2016
Páginas: 360
Editora: Seguinte
Classificação: 

O Eixo ganhou a Segunda Guerra Mundial, e a Alemanha e o Japão estão no comando. Para comemorar a Grande Vitória, todo ano eles organizam o Tour do Eixo: uma corrida de motocicletas através das antigas Europa e Ásia. O vencedor, além de fama e dinheiro, ganha um encontro com o recluso Adolf Hitler durante o Baile da Vitória. Yael é uma adolescente que fugiu de um campo de concentração, e os cinco lobos tatuados em seu braço são um lembrete das pessoas queridas que perdeu. Agora ela faz parte da resistência e tem uma missão: ganhar a corrida e matar Hitler. Mas será que Yael terá o sangue frio necessário para permanecer fiel à missão?


Resenha por Carol Teles:

O ruim da expectativa, e eu já falei sobre isso diversas vezes aqui, é que sempre se espera muito dela. Isso é um fato comprovado em quaisquer dos ramos da nossa vida, e comigo funciona com muita certeza quando se trata de minhas leituras. Então, sim, esperei muito desse livro porque eu tinha simplesmente idolatrado o outro da autora, o Cidade Murada, e porque a premissa dele é simplesmente incrível. Infelizmente acabei a leitura um pouco decepcionada com o que a história me entregou.

O nosso foco aqui é Yael, uma garota que sobreviveu a um campo de concentração na segunda guerra mundial por ter sido uma espécie de experimento de guerra feito com os judeus, e que hoje trabalha para os rebeldes. Sua meta? Matar Adolf Hitler, que foi o vencedor da guerra em questão, nesse livro. E como ela pretende fazer isso? Ganhando a Corrida do Eixo. Uma espécie de competição organizada pelos países vencedores da guerra, e que deixa o ganhador próximo o suficiente de Hitler para realizar o plano.

E só desse parágrafo o leitor pode tirar vários questionamentos, e que por certo não serão respondidos por mim, já que descobrir aos poucos as respostas é o que tem de melhor nessa história. Basta vocês saberem que Yael desenvolveu uma espécie de mutação visual, como se ela fosse a Mística do X-Men. Ela assume a aparência que quiser, quando ela quiser. Então é, existe um pouco de ficção aqui.

Acredito que o mais interessante nessa história seja as possibilidades que a autora apresenta. É bacana imaginar, e não digo isso pensando no resultado, mas no caminho, que Hitler possa ter ganhado a guerra. Como isso responderia no mundo hoje em dia? Quais as consequências de uma Europa tomada pelo o que possivelmente foi o maior ditador que já existiu. Levantar essa ideia é questionar os valores atuais vigentes, e os possíveis valores que existiriam, caso esse fosse o fato.

Então como historiadora, a autora continua incrível. Ela consegue até inserir trações da cultura oriental na narrativa de uma Alemanha nazista. E isso seria o lógico, visto que se eles tivessem ganhado a guerra, Japão e Alemanha teriam traços culturais incomuns, não acham?

Yael também é uma protagonista que funciona comigo. Ela tem aquele jeito badass que tanto gosto nas personagens femininas. É atrevida, focada, inteligente, pouco sensível… Isso já me ganharia de lavada. E claro que existe um pouco de menina nela, afinal, mesmo sendo tão maltratada pela vida, ainda é uma garota, e ainda é humana. Então visitar a humanidade da protagonista é uma das coisas mais interessantes aqui, se pararmos para pensar que todo o objetivo dela durante a corrida, é matar alguém. Ou mais do que isso.

A escrita da autora é outra das coisas geniais aqui. Não há como negar que ela nasceu para escrever. E digo mais, nasceu para escrever com poesia. Não há um só momento em que não sinta algo mais forte durante a leitura. Seja a protagonista narrando o barulho que o trem fazia para chegar ao campo de concentração quando ela era criança, ou a explicação dos lobos nas tatuagens do braço de Yael. A propósito, existem várias ligações em relação aos lobos nesse livro, e todas são incríveis. É uma teia bela e comovente. E ainda que não tenha me apaixonado pelo livro como um tudo, não há como negar que a escrita dela é divina.

E daí vocês me perguntam o que exatamente não gostei, se até o momento só teci elogios. E apesar de não saber exatamente o que dizer a vocês sobre isso, acredito que

tenha sido algo em relação ao ritmo num todo. Se tive um apego enorme à protagonista, não tive nenhum ao desenrolar da história. Achei o meio do livro cansativo e chato. Não consegui me adequar aos personagens coadjuvantes, e ficava torcendo para passar logo a narrativa das partes de corrida do livro. Sei lá… ficou faltando um pouco da poesia da autora nesses trechos, e isso me deixou meio decepcionada. Eu ficava contando os minutos para chegar numa cena melhorzinha, e isso é bem ruim quando se trata de um livro de uma autora tão boa.

Minha esperança é que esse livro faz parte de uma série. Ainda não sei bem como vai continuar depois daquele final sem perder a ideia central, mas vou esperar confiante. Torcendo com todas as minhas forças para que o lado rebelde da guerra ganhe uma proporção maior. Sei o quanto a autora pode mais do que isso, e estou me apegando nesse fio para continuar a ler.

Carol Teles

Carol Teles

Quase formada em Letras; quase formada em Biblioteconomia, sou altamente inquieta e tenho problemas em terminar coisas que comecei. Durmo pouco e com milhões de travesseiros. Sou chocólatra e passo parte do meu dia em uma Interprise ou Millenium Falcon porque meu filho vive no espaço. Perco-me na vida.

Leia mais de 4 milhões de livros no seu e-book. Os melhores e-books do mundo estão aqui

Recomendados para você

Deixe seu comentário