Últimas Notícias

News
Recentes

Machado de Assis e Stephen King estão no próximo lançamento da Cia das Letras!

News
Recentes

O Fogo Invisível, de Javier Sierra, discute a origem de literatura e da arte

News
Recentes

Para os fãs de A Seleção, Jogos Vorazes e A Rainha Vermelha: conheçam Princesa de Cinzas

americanas.com

[Resenha] Imperfeitos – Cecelia Ahern

Publicado em 09 abr, 2017

Imperfeitos – Cecelia Ahern
ISBN-10: 8581636535
Ano: 2016

Páginas: 320
Editora: Novo Conceito
Classificação: 
Página do livro no Skoob

Celestine North vive em uma sociedade que rejeita a imperfeição. Todos aqueles que praticam algum ato julgado como errado são marcados para sempre, rechaçados da comunidade, seres não merecedores de compaixão. Por isso, Celestine procura viver uma vida perfeita. Ela é um exemplo de filha e de irmã, é uma aluna excepcional, bem quista por todos do colégio, além do mais, ela namora Art Crevan, filho da autoridade máxima da cidade, o juiz Crevan. Em meio a essa vida perfeita, Celestine se encontra em uma situação incomum, que a faz tomar uma decisão instintiva. Ela faz uma escolha que pode mudar o futuro dela e das pessoas a seu redor.  Ela pode ser presa? Ela pode ser marcada? Ela poderá se tornar, do dia para a noite Imperfeita?

Resenha:

Cecelia Ahern entrou para a seleta lista de autores
prediletos quando P.S. Eu te amo me fez chorar como um bebê. Figurando entre as
mais vendidas mundo afora, a autora sempre investiu em romances. Quando vi que “Imperfeitos”
era uma distopia não pude negar que fiquei com um pé atrás. A curiosidade foi
maior e, meus caros, ela conseguiu. Não recorreu aos clichês que tanto me
afastaram do gênero nesses últimos meses. Há tempos eu não sentia tanto ódio de
um vilão. Aliás, vilões. Ahern construiu personagens feitos para a gente amar
ou odiar. E eu odiei muitos. Nossa senhora, como eu odiei. E amei.
Nesse universo, o governo pune os cidadãos que erram com
marcações a ferro e fogo na pele. Têmpora, sola dos pés, mãos, peitoral e
língua. De acordo com o seu deslize, uma cicatriz o marcará como um imperfeito.
Como uma escória que a sociedade deve se afastar. Os imperfeitos são uma
espécie de minoria. Um grupo social que precisa se adequar a uma nova vida com
toques de recolher, limites geográficos e de ascensão. Um imperfeito nunca será
alguém influente. Um imperfeito não pode estar em um mesmo lugar com outros
dois imperfeitos. Um imperfeito não pode ter uma família ou comer uma pizza. Até
o que se come, bebe, lê e assiste é supervisionado.
Celestine era uma
garota perfeita, dessas com um futuro brilhante pela frente até que cometeu um
erro. Ajudou um imperfeito a se sentar num ônibus enquanto todos fingiam que
ele não estava lá, tossindo em vias de desmaiar. Celestine salvou um senhor de
idade da morte e foi levada a julgamento.
Como toda distopia que se preze, a crítica ao social se faz
presente. O Tribunal que comanda toda essa fiscalização seguida de julgamento e
punição está sob os holofotes. Um poder que antes nunca foi questionado, agora
está prestes a ruir porque uma garota teve a coragem de se colocar contra
Creevan, o grande responsável por esse regime autoritário.
Celestine é namorada de Art. Art é filho de Creevan. Arte
está desaparecido e Creevan furioso. Celestine instaura o caos na sociedade. A
modelo de cidadã se torna modelo dos imperfeitos. Uma guerra está prestes a
explodir e ela não sabe bem no que se meteu ou o que está fazendo. Celestine se torna a imperfeita mais marcada da história.
Ninguém nunca havia recebido antes mais que quatro marcações. O ódio que cresce
em cada cicatriz que ganhou só não é maior que a vontade de descobrir como
derrubar Creevan. Aquele que a condenou a uma vida de limitações e holofotes. A
mídia está em polvorosa. Algo está acontecendo. Algo de muito errado. Creevan
está usando a influência que tem no Tribunal para se vingar. Não só de Celestine,
mas de muitos outros.
Ah, e claro que tem romance. Celestine e Arte é apenas um
aperitivo. Quando a protagonista entende quem ela realmente é, entende com quem
gostaria de estar. Um imperfeito misterioso, que possui apenas duas falas
durante todo o livro é quem rouba cena e coração.
Apaixonante do início ao fim, Imperfeitos joga uma nova luz
sob as distopias. Transforma a fórmula já conhecida do gênero em algo
empolgante outra vez. Não é sangrento, explosivo ou surreal como outras séries
e trilogias que já conhecemos. É mais próximo da nossa realidade, mais crível e
ainda assim fantástico por mexer tanto com os sentimentos. Eu me vi nervoso,
agoniado e revoltado com inúmeras situações. Ser imperfeito é necessário. Errar
é o que faz da gente algo melhor, é o que nos possibilita refletir. Alguém que
não erra, decepciona-se ou se arrepende não é digno de confiança. Não sabe o
que é bom ou ruim. Como mudar o mundo sem saber o que é certo? Sem saber o que
é verdade?

Torço para que a Novo Conceito publique a série completa e
em intervalos de tempo aceitáveis. Não consigo parar de pensar no desenrolar
dessa história. Cecelia Ahern aparentemente pode escrever sobre tudo. Que
mulher!
WalmartBR

Recomendados para você

Deixe seu comentário