Últimas Notícias

News
Recentes

Editora Morro Branco investe em diversidade em suas publicações. Confira!

News
Recentes

CONHEÇA “JUNTOS SOMOS ETERNOS”, DE JEFF ZENTNER

News
Recentes

Autora de “Quarto” lança triller psicológico “O Milagre”

americanas.com

[Resenha] Kaputt – Curzio Malaparte

Publicado em 05 jan, 2015
Kaputt – Curzio Malaparte 
(Graphic Novel)
Ilustrações: Eloar Guazzelli

Editora: WMF Martins Fontes
Ano: 2014
Páginas: 184

Classificação: 

Misto de reportagem e ficção, Kaputt foi escrito secretamente quando Curzio Malaparte cobria a Segunda Guerra Mundial como enviado do jornal Corriere della Sera e se tornou um best-seller ao ser publicado. Relatando jantares e conversas com o lado inimigo, Malaparte apresenta um retrato devastador da Humanidade. Eloar Guazzelli sempre sonhou em adaptar a obra de Malaparte para os quadrinhos. Sua leitura de Kaputt é avassaladora.

 

Publicada pela editora WMF Martins Fontes em novembro de 2014, a graphic novel “Kaputt” é um recorte do sucesso literário de mesmo nome lançado originalmente em 1944. Não se trata de uma representação completa do livro, mas sim de uma adaptação. Uma escolha pessoal e delicada feita pelo quadrinista e ilustrador gaúcho Eloar Guazzeli. Ele selecionou partes da história para expressar em traços grossos e firmes o horror de um dos períodos mais terríveis e marcantes da história da humanidade: a Segunda Guerra Mundial.

Dividido em seis partes (“Cavalos”, “Ratos”, “Pássaros”, “Cães”, “Renas” e “Moscas”), o livro reúne relatos do diplomata, militar, cineasta e jornalista italiano Curzio Malaparte (1898-1957) durante o regime nazista no período em que foi correspondente do jornal italiano Corriere della Sera. Transitando por cenários sórdidos, devastados pela guerra e apodrecidos por restos mortais, ele observa e descreve as barbáries cometidas pelos soldados russos e alemães – a morte de prisioneiros transformados em animais e a morte de animais transformados em prisioneiros.

O homem de Kaputt é uma fera solitária. A fera “culta”, representada pela elite alemã, tem medo dos velhos e das crianças. Tem medo dos indefesos. Tem medo de ter medo. Malaparte afirma que os alemães amavam a dor e a destruição por receio. Medo de sofrer. O ser diferente era assustador para eles. Assustador mesmo é ler sobre centenas de soldados descarregando fuzis em crianças e animais. É doloroso e devastador acompanhar essas atrocidades com a certeza de que elas realmente aconteceram. Não é uma ficção. O cheiro doce de ferrugem e gasolina que tanto é mencionado chega a incomodar.Malaparte cobriu as frentes lestes das forças de combate (Ucrânia, Polônia e Finlândia) e esteve nas ruas, em meio a combates e chacinas, mas, também, presenciou jantares com generais da alta patente, aristocratas e reis nazistas. É difícil dizer quais momentos são mais desconfortáveis: soldados fuzilando pessoas como se elas fossem insetos indesejáveis ou governantes discutindo o extermínio de inocentes em prol de uma “civilização perfeita”.

Há três cenas bizarras que chamam atenção. A primeira relata centenas de cavalos se agrupando dentro um lago para se proteger do fogo até que a água congela. A descrição acompanhada das ilustrações fantasmagóricas de Guazzelli são dolorosas. A segunda é sobre a morte por asfixia de dois mil judeus em vagões de trens. “Os mortos são raivosos, obstinados, ferozes… Birrentos, vaidosos, os mortos são doidos. Não tem tampouco medo da morte.”

A terceira ilustra uma batalha entre cães russos carregados de mochilas com explosivos contra soldados alemães armados. “Quando na Rússia não houver mais cães… Os meninos russos vão meter-se debaixo dos tanques de vocês. Ach, são todos da mesma raça. Todos filhos de cães.”

O ódio à vida que esse período da História pregou é vergonhoso, sofrido e fede mais do que todos os mortos em decomposição encontrados em valas e nas páginas dessa terrificante graphic novel. Fazendo jus à tradução do alemão, “Kaputt” se refere a alguma coisa que foi quebrada, acabada, despedaçada. Entre tantas obras sobre a Segunda Guerra, essa é de longe a mais visceral.

A obra original “Kaputt” já teve cinco edições traduzidas para o português, mas está esgotada no país. A edição mais recente é de 2000 (editora Bertrand).

WalmartBR

Recomendados para você

Deixe seu comentário