Últimas Notícias

News
Recentes

Autor de “Perdido em Marte” lança thriller de suspense sobre cidade na Lua

News
Recentes

Em nova edição, “Blade Runner” ganha capa assinada por Rafael Coutinho

News
Recentes

Em livro de estreia, Emily X.R. Pan escreve sobre suicídio e paixão

americanas.com

[Resenha] Marcados – Caragh M. O’brien

Publicado em 12 ago, 2014

Marcados – Caragh M. O’brien
Editora: Gutenberg
ISBN: 9788582351383
Ano: 2014
Páginas: 368
Classificação: 
Página do livro no Skoob / Compre!

No futuro, o mundo é árido e hostil, dividido entre os que moram dentro do conforto da muralha, o chamado Enclave, e os que duramente tentam sobreviver no miserável lado de fora, como a jovem Gaia Stone. Aos 16 anos, assim como sua mãe, segue o ofício de parteira, e cumpre sem questionar o dever de entregar uma cota dos recém-nascidos para o Enclave. Porém, sem que ela entenda o porquê, seus pais são presos pelas mesmas pessoas a quem eles sempre serviram e desaparecem. Os esforços de Gaia para resgatá-los a levam para dentro da muralha, e ela acaba descobrindo a existência de um código, cujo significado pode colocar muita coisa em risco, mas que também ameaça sua vida e a segurança de sua família.

Resenha:
A empolgação sempre me acompanha ao descobrir boas estórias. A obra distópica de Caragh M. O’brien é original e bem escrita. Fãs do gênero que se preparem, Marcados tem tudo para ser uma febre.

O cenário futurístico da vez é dividido por uma grande muralha. O Protetorado é a força interior maior que administra a sociedade e reside no conforto do Enclave. A parcela considerada inferior é mantida com recursos mínimos no lado de fora da muralha sendo assim privados de tecnologia e educação. Gaia Stone sempre acreditou que a vida dentro das muralhas era o ideal de bem-estar e felicidade. Afinal, como poderia ser plenamente feliz sobrevivendo entre doenças e miséria enquanto pessoas consideradas melhores que ela desfrutavam de luxos como comida e banho quente?

O grande barato, me permitam usar esse adjetivo, está no fato do Enclave determinar que as três primeiras crianças a nascerem em cada início de mês devam ser entregues nos portões da muralha. A garantia de uma vida melhor acalma o coração das famílias que perdem seus bebês. Em troca recebem velas, micro proteínas, tecidos, lenhas e água. Não que isso signifique que elas tenham alguma opção… A cota é lei. As responsáveis pela difícil tarefa são as parteiras, e nesse ponto se encaixa nossa protagonista. Gaia Stone não foi entregue ao Enclave devido a queimadura no rosto que deixou cicatrizes que a classificaram como defeituosa e estranha. Um fardo que carrega desde sempre e moldou seu jeito de enxergar o mundo. Seus dois irmãos perfeitos foram entregues e ela nunca os conheceu. Quando seus pais são levados na calada da noite pelos soldados do Enclave, Gaia é obrigada a assumir as funções de sua mãe no Setor Oeste Três de Wharfton. O que estaria acontecendo?

A Velha Meg fugiu para a Terra Perdida  mas não antes de deixar um pacote para Gaia. Um pacote com um segredo de sua mãe. Um segredo envolvendo as crianças entregues e informações que o Enclave daria tudo para ter. Quando Gaia descobre que seus pais correm risco de vida ela toma uma decisão perigosa: invadir a muralha.  Preciso avisá-los antecipadamente, mortes em praça pública são comuns e fazem parte da realidade opressora da trama. A sobrevivência de alguém é decidida pela sua serventia ao Protetorado. A perfeição que o Enclave sustenta para boa parte da população de fora das muralhas é apenas uma fachada para a brutalidade que ali habita. Escrevi bastante e não expliquei metade das coisas necessárias para compreensão da grandiosidade do enrendo. E nem tentarei! Há incontáveis regras de relacionamento envolvendo as pessoas que vieram de fora da muralha por uma única razão: as pessoas de dentro estão morrendo. Estão fracas demais.

O romance está presente mas não é o foco, ele cresce lentamente e ganha força nos capítulos finais juntamente a toda ação que acompanhamos desde a primeira atitude corajosa de Gaia. Não tenho comentários negativos a respeito dos personagens, a autora fez um trabalho excelente ao dosar a insegurança de Gaia pela sua aparência com a bravura de lutar pelo que acredita e ama. É apaixonante. O Sargento Leon é a cereja do bolo e dá graça, vida e momentos únicos a narrativa que é feita em terceira pessoa. Minha única ressalva vai para as repetições que o enredo apresenta, em determinados momentos parece que estamos lendo a mesma coisa mais uma vez. Isso me cansou e foi responsável por prolongar um pouco a leitura. Os detalhes a respeito de tudo são tão instigantes que não é possível ficar muito tempo longe do livro, não se preocupem. A sede de justiça e vingança que se instala é revigorante e nada impedirá Gaia de ir até o fim. A genética explica quase tudo que envolve os bebês. O amor ainda pode salvar vidas…

WalmartBR

Recomendados para você

Deixe seu comentário