Últimas Notícias

News
Recentes

Conheça “Metrópolis”, clássico sci-fi de Thea von Harbou, que chega em capa dura em Outubro!

News
Recentes

“A Saga do Assassino”, de Robin Hobb, ganha nova edição pela Suma!

News
Recentes

Sequência de “O Conto da Aia” chega em novembro às livrarias!

Livraria Martins Fontes

[Resenha] Incendeia-me – Tahreh Mafi

Publicado em 09 jul, 2014

Incendeia-me – Tahreh Mafi
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581634418
Ano: 2014
Páginas: 384
Classificação: 
Página do livro no Skoob / Compre!

UM DIA EU POSSO ROMPER UM DIA EU POSSO R O M P E R E ME LIBERTAR NADA MAIS VAI SER IGUAL O destino do Ponto Ômega é desconhecido. Todas as pessoas com quem Juliette se importa podem estar mortas. Talvez a guerra tenha chegado ao fim antes mesmo de ter começado. Juliette foi a única que restou no caminho d’O Restabelecimento. E sabe que, se ela sobreviver, O Restabelecimento não sobreviverá. Entretanto, para destruir O Restabelecimento e o homem que quase a matou, Juliette vai precisar da ajuda de alguém em quem nunca pensou que pudesse confiar: Warner. Enquanto eles lutam juntos para combater o inimigo, Juliette descobre que tudo que ela pensava saber sobre seu poder, sobre Warner e até mesmo Adam era uma mentira.

Resenha:
Incendeia-me é o tão aguardado desfecho da trilogia escrita por Tahereh Mafi e essa resenha contém muitos spoilers. Me desculpem mas eu realmente preciso me expressar sobre cada detalhe dessa trilogia que acompanhei com tanto carinho e sou fã. Você pode dar uma olhada e deixar seu comentário nas resenhas de Estilhaça-me e Liberta-me se optar por não ler os próximos parágrafos.

Quem leu Liberta-me sem dúvida alguma começou a leitura de Incendeia-me ávido por ação, ávido por uma Juliette forte e decidida, disposta a derrubar o Restabelecimento de uma vez por todas. Uma Juliette focada em destruir o Anderson e vingar-se do sistema que a oprimiu e tirou sua liberdade. Sabe aquela garota assustada e despedaçada de Estilhaça-me? Ela é praticamente morta em Liberta-me, e digo isso mais que metaforicamente. Todo esse vigor que deveria ser convertido em força para lutar é totalmente ofuscado pelo romance presente no livro. O lado distópico é quase deixado de lado e vamos acompanhar pouco mais de 300 páginas onde Juliette tenta convencer ela mesma e os poucos sobreviventes do Ponto Ômega de que Warner não é o monstro que todos pensam.

É complicado explicar o que realmente se passa pela minha cabeça enquanto escrevo esse texto. Sabe aquela sensação de alívio que invade a gente quando determinada coisa acontece como o esperado? Desde o início dessa distopia eu tinha minha torcida definida em relação a com quem Juliette deveria ficar no fim de toda a problemática. E apesar de estar feliz por isso, estou um pouco triste também. Acredito que a forma como a Mafi desconstruiu algo que vinha lá do começo foi o que mais me deixou incomodado. Preparam-se para sentir pena de Adam, ele é simplesmente humilhado, derrotado, posto de lado e não ganha o direito de um final conclusivo ou satisfatório. Eu não consigo acreditar que um personagem tão importante tenha sido desvalorizado dessa forma.

Nossa garota intocável tem um plano em mente. O Restabelecimento bombardeou o Ponto Ômega e matou centenas de pessoas. Anderson simplesmente não se importa. Ele deseja arrancar a individualidade de cada um, ele quer poder. Bem, posso dizer que Mafi optou por resolver toda uma guerra nas últimas trinta páginas do livro e deixou de lado o quesito vingança sangrenta. Admito que são trinta páginas maravilhosas e em alguns aspectos surpreendentes, porém tudo poderia ser maior, grandioso e emocionante se o livro inteiro não tivesse sido focado no romance de Warner e Juliette. Intercalando com pitadas de treinamentos e discussões acaloradas.

Apesar desses pontos fracos que destaquei, a verdade é que sentirei saudades e gostei bastante desse último livro. Torci pelo  Warner desde o início e foi delicioso acompanhar o casal se descobrindo e apaixonando-se de verdade. Entenderemos as motivações desse aparente tirano e compartilharemos de suas dores, Warner será remodelado assim como Adam. Assim como Juliette, que cresce visivelmente e se mostra uma mulher forte e capaz de controlar seus poderes. Seu toque letal. A grande surpresa do livro é Kenji, que ganha um espaço todo especial na narrativa e mostra por que ele é o melhor amigo de nossa protagonista.

Mafi tem um lugar especial na minha estante e mal posso esperar por novas aventuras escritas por ela. Essa trilogia me marcou e será para sempre uma das minhas preferidas, daquelas que sempre recomendarei, sabe?

Leia mais de 4 milhões de livros no seu e-book. Os melhores e-books do mundo estão aqui

Recomendados para você

Deixe seu comentário