Últimas Notícias

News
Recentes

Carol Teles lança “Constelação de Gritos Mudos”, seu novo livro!

Alagoas
News
Recentes

Com xilogravuras de Luís Matuto, livro faz releitura da história de Zumbi dos Palmares

News
Recentes

Guilermo del Toro e Cornelia Funke lançam livro de “O Labirinto do Fauno”

Livraria Martins Fontes

[Resenha] A Espada de Shannara – Terry Brooks

Publicado em 15 jul, 2014

A Espada de Shannara – Terry Brooks
Editora: Saída de Emergência Brasil
ISBN: 9788567296135
Ano: 2014
Páginas: 544
Classificação: 
Página do livro no Skoob / Compre!

Há muito tempo atrás, as guerras de um anciente Mal arruinou o mundo e a humanidade foi forçada a competir com muitas outras raças – gnomos, trolls, anões e elfos. No pacífico vale de Shay o meio-elfo Shea Ohmsford sabe pouco de tais problemas, isso até o gigante proibido com poderes druidas estranhos, Allanon, lhe revelar que o supostamente morto Lorde Warlock está tramando para destruir o mundo em pequenas parcelas. A única arma capaz contra seu poder da escuridão é a Espada de Shannara, que pode ser usada apenas pelo verdadeiro herdeiro de Shannara. E Shea é o último dessa linhagem e nele repousa a esperança de todas as raças. Logo o Portador da Caveira, um pavoroso favorito do Mal, se dirige para o Vale para matar Shea. Para salvar o Vale da destruição, Shea foge, levando em seu encalço o Portador da Caveira.

Resenha:
A obra fantástica de Terry Brooks não foi uma leitura fácil ou rápida, não estou me referindo a vocabulário ou ambientação, o grande peso negativo de Shannara foi seu ritmo lento e sua narrativa extremamente detalhista em diversos momentos. Felizmente, quando o cansaço me abatia algo interessante me prendia e engatava a trama de forma espetacular. Sim, essa resenha será um misto de amor e ódio.

As duas Grandes Guerras deram um fim à soberania da raça humana, há dois mil anos os homens isolaram-se nas Terras do Sul ignorando os problemas que vieram a assolar o restante do mundo. A fim de se reerguer após todas as percas catastróficas, eles pouco se importaram com as novas raças que passaram a habitar as Terras do Norte, Leste e Oeste. Trolls, Gnomos, Elfos e Anões, desenvolveram-se e ergueram civilizações próprias. A fim de um melhor relacionamento entre as raças, um conselho de mentes geniais peritas nas artes mais antigas e poderosas do mundo fora organizado. O Conselho dos Druidas seria o responsável por estabelecer  paz e ordem. Obviamente, sempre há alguém esperto demais que se convence de algo irreal e passa a lutar pelo lado errado da força. Surgiu assim o Lorde Feiticeiro, o Druida rebelde Brona, e a primeira Grande Guerra das Raças. Situaram-se no cenário fantástico? Pois bem, agora todos correm perigo novamente. Uma terceira Grande Guerra é eminente e promete ser a mais avassaladora de todas. Diferente do que todos acreditam, o Lorde Feiticeiro não fora destruído. O Reino da Caveira é seu domínio e o Herdeiro da Espada de Shannara, filho da Casa de Shannara é a única esperança de salvação.

Desde que fora adotado quando pequeno Shea Ohmsford vive tranquilamente no Vale Sombrio, trabalhando na hospedaria de seu pai juntamente a seu irmão Flick. Quando ele se depara com o famoso andarilho das quatro terras, Allanon, em uma de suas viagens a trabalho, Shea tem sua vida mudada completamente. O jovem garoto descobre que é descendente de Shannara e consequentemente herdeiro da espada. Um filho perdido que terá que empenhar-se para salvar o mundo. O Lorde Feiticeiro vem perseguindo e matando todos os descendentes de Shannara e apesar de não saber a localização de Shea, o inimigo tem conhecimento de sua existência. É uma questão de tempo até seus emissários o encontrarem. E destruí-lo.  Quando a segurança é ameaçada e os irmãos se convencem parcialmente da veracidade das palavras de Allanon, Shea e Flick fogem na calada da noite seguindo instruções do já ausente andarilho. Em busca de ajuda, um grupo de coragem e com membros valiosos é formado. Inicia-se assim uma verdadeira caçada à Espada de Shannara, a única arma capaz de destruir o Lorde Feiticeiro. A única regalia que as raças possuem contra o verdadeiro mal. A espada só pode ser usada por um herdeiro real e a segurança de Shea é indispensável durante toda a jornada que busca resgatar a arma.

Fantasia que se preze tem que ter um elenco de personagens incríveis, certo? Terry Brooks não economizou nesse aspecto. Shea e Flick deveriam ser os personagens principais mas em determinado momento da trajetória todo o grupo se divide e a trama cresce absurdamente. A narrativa é feita por diversos pontos de vista e deixa a leitura dinâmica, viciante e reduz consideravelmente o cansaço descritivo. Allanon é intrigante. Ele sabe muito mais do que ousou revelar para seus companheiros e a pulga atrás da orelha persiste até os capítulos finais. Admito que a curiosidade em saber seus segredos não me permitiu largar o livro em incontáveis capítulos. O impetuoso príncipe Menion Leah conquistará a confiança de Flick e dos leitores a cada página. Ele é meu personagem favorito e por mim ganharia um livro único e especial. Menion só está nessa jornada pela amizade de Shea e é honrável cada passo mortal que ele dá. Não posso deixar de mencionar a dupla de amigos que Shea fará enquanto vaga sozinho pelas Terras do Norte, Panamon e Kelset serão surpresas agradáveis e surpreendentes.

Rios, cavernas e florestas repletas dos mais originais e assustadores perigos marcam presença no enredo. Turnos de vigia, invasões à acampamentos inimigos, uma profecia que afirma a morte certeira, traições, loucura e pedras élficas como única proteção. Os capítulos finais são deliciosamente bem dosados, o cenário finalmente muda de cavernas/florestas para um reino ameaçado com direito a uma batalha sangrenta e até o despertar de um amor verdadeiro. Como Shea será capaz de derrotar o Lorde Feiticeiro se na maior parte de sua jornada ele parece ser o único a ter dúvidas sobre tudo?

Leia mais de 4 milhões de livros no seu e-book. Os melhores e-books do mundo estão aqui

Recomendados para você

Deixe seu comentário