Últimas Notícias

News
Recentes

Conheça “Metrópolis”, clássico sci-fi de Thea von Harbou, que chega em capa dura em Outubro!

News
Recentes

“A Saga do Assassino”, de Robin Hobb, ganha nova edição pela Suma!

News
Recentes

Sequência de “O Conto da Aia” chega em novembro às livrarias!

Livraria Martins Fontes

[Resenha] Neuromancer – William Gibson

Publicado em 14 maio, 2014

Neuromancer – William Gibson
Editora: Aleph
ISBN: ASIN:B00FSNRQOW
Ano: 2013
Páginas: 298
Classificação: 
Página do livro no Skoob / Compre!

Um hacker renegado, uma samurai das ruas, um fantasma de computador, um terrorista psíquico e um rastafari orbital num thriller sexy, violento e intrigante. De Tóquio a Istambul, das estações espaciais ao não-espaço da realidade virtual, o tenso jogo final da humanidade contra as Inteligências Artificiais…
Evoluindo de Blade Runner e antecipando Matrix, Neuromancer é o primeiro – e ainda hoje o mais famoso – livro de William Gibson. É considerado não só o romance que deu origem ao gênero cyberpunk, mas também o seu melhor representante. 

Resenha:
Case era um ladrão. Um ladrão que trabalhava para ladrões mais ricos e poderosos que forneciam o software necessário para penetrar muralhas de sistemas e campos de dados na adrenalina que era a matrix. Case fora treinado pelos melhores do negócio. Ele era um hacker. Um cowboy fora da lei. O melhor do Sprawl. Porém fora exilado após uma tentativa fracassada de passar a perna nos seus empregadores. Sua vida agora se desdobra em um vácuo sem consoles e o ciberespaço não passa de um passado distante. Seu sistema nervoso fora danificado por uma micotoxina dos tempos de guerra e seu talento implantado queimado.

Excluído e tentando sobreviver no mercado negro de Tóquio, Case encontra nas drogas sintéticas um refúgio. Um refúgio constante que passa a ser um vício durante todo enrendo. Autodestrutivo. Danificado e perdido ele se envolve em atividades criminosas que permeiam as ruas de Chiba e acaba encaixando o que bem entende na sua distorcida concepção de realidade, induzindo a cidade em peso a matá-lo quando não estiver olhando. E então ele conhece Molly, uma samurai das ruas, com seus trajes de couro, suas lâminas de bisturi embaixo das unhas e seus óculos implantados cirurgicamente. Sua salvação. Com uma proposta de corrigir o dano neural de Case, Armitage, chefe de Molly e agora seu chefe também, nosso cowboy ganha uma missão e a possibilidade de voltar à Sprawl, à Matrix.

Sem saber para quem realmente estão trabalhando, Molly e Case irão adentrar numa série de viagens no ciberespaço. Espionagens virtuais, acesso a banco de dados restritos, quebra de softwares corporativos, teorias de conspiração e invasões eletrônicas sem pudores. Não há programas ou portões que não possam serem derrubados. Mas a dúvida de quem banca toda a operação e dá ordens para Armitage guia os capítulos de início ao fim. Circuitos apagados e resquícios de uma guerra. Seria uma inteligência artificial? Qual sua motivação? Uma código, uma palavra é a resposta para tudo…

Betafenetilamina, o primeiro vírus da história cibernética, um céu programado e viagens em ônibus especiais. Neuromancer é uma overdose de informações, interligações, contextualidades, referências em uma base futurística revolucionária para a época mas levemente ultrapassado lendo-se atualmente. Nada que diminua sua influência ou importância. Lançado em 1984, a obra de Gibson deu origem a um novo gênero literário e inspirou a renomada trilogia Matrix de Wachowski. Na minha percepção, além da genialidade em que o autor prevê algumas  coisas que hoje são possíveis, o maior legado ou lição é a crítica onde mundo real e virtual coexistem sendo um só. A dificuldade em diferenciar o que é real e o que se passa apenas na matrix é visível em incontáveis momentos da narrativa.

Não sou um expert em informática, códigos e cibercultura porém nada me impediu de ler Neuromancer. O vocabulário usado é complicado e o glossário ao final do livro ajuda bastante no processo de absorver a estória. O autor usa e abusa de metáforas que requerem bons minutos de reflexão, ele não se preocupa em explicar determinados conceitos ou teorias, praticidade e obviedade guiam os capítulos do livro, deixando-o rápido e ao mesmo tempo pesado. Softwares embutidos no corpo, cyborgs, viagens no espaço e ciberespaço, tudo é muito gostoso de se descobrir e explorar. Os personagens deixam tudo mais colorido, sim, o cenário em que a estória é ambientada me pareceu sem cor, um cinza carregado. Algo noir, clássico. Culpa das drogas e crimes, talvez… Case e Molly cultivam uma sintonia que ao mesmo tempo que une, os separa. O elenco de personagens é variado, excêntrico, perigoso e super cativante. Menções honrosas a Julius Dane, assexuado e de aparência inumana com seus 135 anos de idade, Finlandês, Linda e Wintermute.

Leitura recomendada!

Leia mais de 4 milhões de livros no seu e-book. Os melhores e-books do mundo estão aqui

Recomendados para você

Deixe seu comentário